26 de dezembro de 2014

Afinal, o que é o natal?


Oi pessoal!
Eu sei que o natal já passou e que o ano novo já está perto, mas tem várias questões que não saem da minha cabeça desde o início de dezembro. O que é o natal? Quem criou essa data? Quando começaram a comemorar? Quem é o "Papai Noel"? Porque comemoramos isso? Porque enfeitamos tudo com "pisca-pisca"? Porque montar a árvore de natal?...
Tinha planejado fazer esse post antes do natal, mas fiquei pensando se era realmente uma boa ideia. Decidi deixar pra lá. Continuei incomodada e decidi postar no dia 25, não consegui. E agora, dia 26, estou pronta e preparada pra fazer esse post.
Como já falei antes, começaram a surgir várias questões na minha cabeça sobre o natal e decidi pesquisar. Como são várias questões e que precisam ser bem detalhadas, decidi dividir em alguns tópicos.
 O primeiro e mais fácil de responder é: Jesus (a razão para comemorar o natal) nasceu mesmo dia 25? 
A resposta não é certa, mas vários estudos indicam que não. Agora, vou te explicar com esse texto do site Mundo Estranho.

"[...] A origem da data é essa (25 de dezembro), mas será que Jesus realmente nasceu no período de fim de ano? Os especialistas duvidam. "Entre os estudiosos do Novo Testamento e das origens do cristianismo, é consenso que ele não nasceu em 25 de dezembro", afirma o cientista da religião Carlos Caldas, da Universidade Mackenzie, em São Paulo. Na Bíblia, o evangelista Lucas afirma que Jesus nasceu na época de um grande recenseamento, que obrigava as pessoas a saírem do campo e irem às cidades se alistar. Só que, em dezembro, os invernos na região de Israel são rigorosos, impedindo um grande deslocamento de pessoas. "Também por causa do frio, não dá para imaginar um menino nascendo numa estrebaria. Mesmo lá dentro, o frio seria insuportável em dezembro", diz Caldas. O mais provável é que o nascimento tenha ocorrido entre março e novembro, quando o clima no Oriente Médio é mais ameno."
Tudo bem, mas por que escolheram o dia 25, já que não foi nessa data que Jesus nasceu?
Temos a resposta no mesmo texto.
"Parece incrível, mas a escolha da data não tem nada a ver com o nascimento de Jesus. Os romanos aproveitaram uma importante festa pagã realizada por volta do dia 25 de dezembro e "cristianizaram" a data, comemorando o nascimento de Jesus pela primeira vez no ano 354. A tal festa pagã, chamada de Natalis Solis Invicti ("nascimento do sol invencível"), era uma homenagem ao deus persa Mitra, popular em Roma. As comemorações aconteciam durante o solstício de inverno, o dia mais curto do ano. No hemisfério norte, o solstício não tem data fixa - ele costuma ser próximo de 22 de dezembro, mas pode cair até no dia 25.[...]"
Procurei em outros sites e a explicação foi a mesma.
Então, depois de ler isso tudo... Como essa comemoração foi parar nas igrejas? 
Essa explicação está no site Celebrando Deus nesse post.
"[...]Recordemos que o mundo romano havia sido pagão. Antes do século quarto os cristãos eram poucos, embora estivessem aumentando em número, eram perseguidos pelo governo e pelos pagãos. Porém, com a vinda do imperador Constantino no século quarto, que se declarou cristão, elevando o cristianismo a um nível de igualdade com o paganismo, o mundo romano começou a aceitar este cristianismo popularizado e os novos adeptos somaram a centenas de milhares.
Tenhamos em conta que esta gente havia sido educada nos costumes pagãos, sendo o principal aquela festa idólatra de 25 de Dezembro. Era uma festa de alegria muito especial. Agradava ao povo. Não queriam suprimi-la.
O artigo já citado da The New Shaff-Herzog Encyclopedia of Religious Knowledge explica como o reconhecimento do dia de domingo por parte de Constantino, dia em que os pagãos adoravam o sol, e como a influência do maniqueismo, que identifica o Filho de Deus com o sol, deram motivos aos pagãos do século quatro, agora convertidos em massa ao cristianismo, para adaptar a festa do dia 25 de Dezembro (dia do nascimento do deus sol), dando o título de dia do nascimento do Filho de Deus.
Assim foi como o Natal foi introduzido em nosso mundo ocidental! Ainda que tenha outro nome, continua sendo em espírito a festa pagã de culto ao sol. Apenas mudou o nome. Podemos chamar de leão a uma lebre, mas nem por isto não deixa de ser lebre. A Enciclopédia Britânica diz: “A partir do ano 354 alguns latinos puderam mudar de 6 de Janeiro para 25 de Dezembro a festa que até então era chamada de Mitraica, o aniversário do invencível sol… os sírios e os armênios, apegando-se a data de 6 de Janeiro, acusavam os romanos de idolatria e adoradores do sol, sustentando que a festa de 25 de Dezembro havia sido inventada pelos discípulos de Cerinto.”

Ok... Tudo certo. Mas, de onde veio o natal?
A resposta eu tive no mesmo post.
"[...] Ninrode, neto de Cão, filho de Noé, foi o verdadeiro fundador do sistema babilônico, sistema organizado de impérios e governos humanos, do sistema econômico do lucro, o qual tem se apoderado do mundo desde então. Ninrode construiu a torre de Babel, a Babilônia original, Ninive e muitas outras cidades. Organizou o primeiro reino deste mundo. O nome Ninrode se deriva da palavra “marad”, que significa “rebelar”.
De escritos antigos aprendemos que foi este homem que começou a grande apostasia mundial organizada que tem dominado o mundo desde tempos antigos até agora. Ninrode era tão perverso que, segundo escritos, casou-se com sua própria mãe cujo nome era Semiramis. Morto prematuramente, sua chamada mãe-esposa, Semiramis, propagou a perversa doutrina de reencarnação de Ninrode em seu filho Tamuz. Ela declarou que em cada aniversário de seu nascimento, Ninrode desejaria presentes em uma árvore. A data de seu nascimento era 25 de Dezembro. Aqui está a verdadeira origem do Natal.
Semiramis se converteu em “rainha do céu” e Ninrode, sob diversos nomes, se tornou o “divino filho do céu”. Depois de várias gerações desta adoração idolatra, Ninrode também se tornou em falso messias, filho de Baal, o deus sol. Neste falso sistema babilônico, a “mãe e filho” (Simiramis e Ninrode encarnado em seu filho Tamuz) se converteram nos principais objetos de adoração. Esta veneração da “mãe e do filho” se estendeu por todo o mundo, com variação de nomes segundo os países e línguas. Por surpreendente que pareça, encontramos o equivalente na Madona muito antes do nascimento do Senhor Jesus Cristo! Nos séculos quarto e quinto os pagãos do mundo romano se “converteram” em massa ao “cristianismo” levando consigo suas antigas crenças e costumes pagãos dissimulando-os sob nomes cristãos. Foi quando se popularizou também a idéia da “mãe e filho”, especialmente na época do Natal. Os cartões de Natal, as decorações e as cenas do presépio refletem este mesmo tema."

Mas, e as decorações?

[...] Além dos tradicionais costumes natalinos de cada povo, tem se adotado outros que são de origem pagã. A corda verde adornada com fitas e bolas coloridas que enfeitam as portas de tantos lares é de origem pagã. Dela disse Frederick J. Haskins em seu livro “Answer and Questions” (Respostas e perguntas): “Se remonta aos costumes pagãos de adornar edifícios e lugares de adoração para festividades que se celebrava ao mesmo tempo do Natal. A árvore de Natal vem do Egito e sua origem é anterior a era cristã”.
Também as velas, símbolo tradicional do Natal, são uma velha tradição pagã, pois se acendiam ao ocaso para reanimar o deus sol, quando este se extinguia para dar lugar à noite."

Papai Noel?  Muita gente diz coisas rápidas sobre ele. Explicações baseadas em tradições e sem nenhuma pesquisa. Então, decidi buscar em sites que explicassem realmente tudo. De onde veio o nome dele, as roupas, etc. E achei no Tolkien BrasilHistória do Mundo e no blog Fato e farsa.

"[...] È difícil precisar qual seria a origem do Papai Noel, pois ela se perde no tempo. Sabe-se que está intimamente relacionada com o folclore europeu, especialmente as lendas germânicas. Alguns dizem que possa ter sua origem na divindade Odin dos povos nórdicos.No folclore escandinavo o Papai Noel pode ter sua origem no chamado “Tomte” ou “Nisse”, um homem velho que entregava presentes para as crianças da Dinamarca. Na tradição da Igreja Católica, o Papai Noel seria na verdade o Santo Nicolau de Mira, que foi um bispo grego do século IV depois de cristo. Era costume desse santo dar presentes e ser uma pessoa bastante pacífica  e amigável com crianças. Durante a Idade Média ele foi nomeado como santo da Igreja. O dia de prestar homenagem ao Santo Nicolau era 6 de dezembro, onde as crianças recebiam presentes. Contudo, para se adequar as festividades de 24 e 25 de dezembro que supostamente seria o dia do nascimento de Jesus Cristo, o Santo Nicolau passou a ser prestigiado também nessa nova data. Foi então que Santo Nicolau passou a ser conhecido como Santa Claus ou Papai Noel." - Tolkien Brasil
"[...] No tempo em que os bárbaros tomavam conta do Velho Mundo, existia uma série de celebrações que tentavam amenizar as rigorosas temperaturas e a falta de comida que tomavam a Europa nos fins de dezembro. Foi nessa situação em que apareceu a lenda do “Velho Inverno”, um senhor que batia na casa das pessoas pedindo por comida e bebida. Segundo o mito, quem o atendesse com generosidade desfrutaria de um inverno mais ameno.A associação entre o Velho Inverno e São Nicolau apareceu muitas décadas depois. De acordo com os relatos históricos, São Nicolau foi um monge turco que viveu durante o século IV. Conta a tradição cristã que este clérigo teria ajudado a uma jovem a não ser vendida pelo pai, jogando um saco cheio de moedas de ouro que poderiam pagar o dote de casamento da garota. Somente cinco séculos mais tarde, São Nicolau foi reconhecido pela Igreja como um santo. [...] Nos fins do século XIX, o desenhista alemão Thomas Nast teve a ideia de incorporar novos elementos à imagem do bom velhinho. Para tanto, publicou na revista norte-americana “Harper’s Weekly” o desenho de um Papai Noel que, para os dias atuais, mais se assemelhava a um gnomo da floresta. Com o passar dos outros natais, ele foi melhorando seu projeto original até que o velhinho ganhou uma barriga protuberante, boa estatura e abundante barba branca.Apesar das grandes contribuições oriundas do experimentalismo de Nast, temos ainda que desvendar a origem da sua roupa avermelhada. De fato, vários desenhos já haviam retratado o Papai Noel com trajes das mais variadas formas e cores. Contudo, foi em 1931 que Haddon Sundblom, contratado pela empresa de refrigerantes “Coca-Cola”, bolou o padrão rubro das vestimentas do bom velhinho. Com passar do tempo, a popularização das campanhas publicitárias da marca acabaram instituído o padrão."
Mas, e as "árvores de natal?" Achei no site A origem das coisas.
"[...] O costume de enfeitar árvores é mais antigo que o próprio Natal. Já antes de Cristo praticamente todas as culturas e religiões pagãs usavam enfeites em árvores para celebrarem a fertilidade da natureza.Os romanos adornavam as árvores em honra de Saturno, que era o seu Deus da agricultura.No Egipto era hábito, no solstício de Inverno, trazerem ramos verdes para dentro das suas casas, como forma de celebrarem a vitória da vida sobre a morte.Os druidas Celtas, em épocas festivas, decoravam os carvalhos com maçãs douradas.Os primeiros registos da  adopção da árvore de Natal pelo cristianismo surgem do norte da Europa no começo do século XVI, embora tudo indique que por essa altura já era uma tradição vinda da época medieval, pois há registos de “Árvores de Natal” na Lituânia cerca do ano de 1510.No antigo calendário cristão, o dia 24 de Dezembro era dedicado a Adão e Eva e a sua  história costumava ser encenada nas igrejas. Como representação do paraíso era usada uma árvore carregada de frutos.Os cristãos ganharam então o hábito de montarem essa alegoria em suas casas com árvores que, com o passar dos tempos, foram ficando cada vez mais decoradas: as estrelas simbolizando a Estrela de Belém, as velas simbolizando a luz de Cristo e as rosas em homenagem à Virgem Maria.Durante os séculos XVII e XVIII este hábito tornou-se tão popular entre os povos germânicos, que estes atribuíram a criação da árvore de Natal ao seu congénere Martinus Luter, (Martinho Lutero em português), fundador do protestantismo. Reza a lenda germânica que Lutero ao passear durante uma noite limpa pela floresta, observou o efeito das estrelas no topo das árvores e trouxe essa imagem para a sua família na forma de uma árvore com uma estrela no topo e decorada com velas.Mas foi só durante o século XIX que a árvore de Natal se começou a difundir pelo resto do mundo, muito graças à contribuição da monarquia britânica. O príncipe Alberto, o marido de origem alemã da rainha Vitória, montou uma Árvore de Natal no palácio real britânico. Foi então tirada uma fotografia da família real junto à árvore, fotografia essa que foi publicada na revista “Illustrated London News”, no Natal de 1846."

Então é isso pessoal!
Quero deixar bem claro que tudo que eu postei aqui foi fruto de uma pesquisa na internet e todos os sites estão com os devidos créditos.
Como já falei antes, esse post foi uma pesquisa que eu achei interessante e que clareou muito as minhas ideias e quis compartilhar com vocês, porque esse blog é um blog pessoal;
Não trouxe isso para criticar suas crenças nem desrespeitá-las, afinal cada um tem a sua.
Espero que tenham gostado!
O que acharam desse tipo de post? Querem mais? E vocês, acreditam em alguma das questões levantadas? Como foi o seu natal?
Respondam nos comentários!

Beijos e até mais ^^

ps: desculpem pelo post enorme, mas queria deixar tudo bem completinho ;)




2 comentários:

  1. Oii, adorei seu blog, estou seguindo, dá uma olhadinha no meu, se gostar segue tbm.
    Obrigada! bjuxx :*
    http:// blogdadanielamachado.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muuito obrigada <3
      Amei o seu blog e também já estou seguindo <3
      Beijão, Lala.

      Excluir